português, pra que te quero?

por estaçãodapoesia

Em uma tarde de domingo sentada em uma livraria em Botafogo folheando um estudo sobre Kant escuto uma entusiasmada conversa entre três amigas. A que parecia mais velha e segurava um livro de Mario de Andrade dizia que os verbos são os melhores amigos o homem. As amigas prestavam bastante atenção, no entanto pareciam discordar.

Os verbos são responsáveis por nossas ações e, por conseguinte pelo movimento do homem em direção ao que almeja. Os verbos movem o mundo.

 No mesmo suspiro que terminara com a fala da primeira a segunda emenda a dialética.

Os verbos são o movimento do mundo, mas apenas quando acompanhados de adjetivos. Ou pelo menos os verbos que se correlacionam com os adjetivos.

Logo, a terceira.

Fico com os substantivos. Os sentimentos são a alma de um texto assim como da vida. A análise e a narração de fatos se dá via esses.

Eu, já entretida com a conversa, paro para pensar. Me encantam os advérbios.

Agir potentemente.

Sentir intensamente.

Descrever ferozmente.

Sem esquecer de Kant e discordando de seu imperativo categórico:

Os substantivos nos apresentam, os adjetivos nos analisam e os verbos nos movem. Mas os advérbios nos fazem reais.

a.e.l.

Anúncios